23/09/2009

Questões sem glúten - Análise

Nesta sondagem, pretendiamos saber onde almoçam os nossos leitores em dias de aulas ou de trabalho. Dos 46 participantes na sondagem, 32% almoçam em casa. Esta é uma boa opção quando é passível de ser posta em prática, o que, de certo, não acontece com muitas pessoas, que estudam ou trabalham longe do local de residência.

Verificámos também que 28% dos leitores do blog levam comida de casa, o que nos parece a opção mais fiável, principalmente nos casos em que o bar/cantina da escola/local de trabalho não assegura a isenção de glúten ou de contaminação.

Foi com satisfação que constatámos que 19% dos respondentes almoçam na cantina e confiam. Gostaríamos que estas pessoas partilhassem connosco, através de um comentário a este post, o que costumam comer na cantina e que precaussões tomam, por exemplo se explicam ao cozinheiro as especificações de uma dieta sem glúten.

Por outro lado, 10% dos participantes na sondagem almoçam na cantina mas não confiam. Nunca é demais lembrar os perigos da contaminação cruzada e os danos para a saúde e para o bem-estar do celíaco que daí advêm.

Por fim, 8% dos respondentes almoçam num restaurante/bar em que confiam. Gostaríamos que divulgassem o nome do estabelecimento onde costumam comer, de forma a poder ser incluído na lista de “Restaurantes Verdes”.

Obrigada a todos os leitores que participaram na sondagem! Numa altura em que se aproxima o primeiro aniversário da APC Jovem, é muito gratificante ver que a comunidade celíaca participa nas nossas iniciativas. Com o apoio e colaboração de todos, a nossa associação vai continuar a crescer e a evoluir.

9 comentários:

Filipe Gomes disse...

A minha experiência com a cantina da faculdade: as senhoras da cantina foram super-receptivas, eu e a minha mãe explicámos tudo o que sabíamos sobre ingredientes e contaminação.

Na prática, a experiência não correu bem: passei ano e meio a almoçar arroz branco com bife grelhado. A alternativa seria comprometer-me com os dias a que iria à cantina: aí poderia até fornecer às senhoras massas sem glúten e tudo mais, que elas fariam o prato para mim.

Mesmo com esta receptividade, não me consegui adaptar, porque seria necessário assumir um compromisso, o que choca com a minha rotina, nunca sei onde me vai dar jeito almoçar...

O obstáculo que não consegui ultrapassar foi o de nesta cantina não existir, naturalmente, uma refeição isenta de glúten que eu pudesse tomar, caso me desse jeito almoçar lá. Tal como os vegetarianos não têm que assumir compromissos para terem menu vegetariano na cantina...

Sol disse...

Eu também ainda tentei a cantina da faculdade mas foi tenebroso... Houve partes que as senhoras perceberam, outras que nem por isso. Lá Knorr pararam elas de me meter na sopa, continuaram foi a engrossá-la com farinha =X Isto foi no meu primeiro ano. Depois houve ali uma altura em que as coisas pareciam ter-se resolvido, contudo, depois a confecção das refeições foi adjudicada a uma empresa e, a partir daí, foi para esquecer mesmo...

Até no livro amarelo escrevi. Toda a gente a ligar-me, muito preocupada, mas continuou tudo na mesma. Felizmente alguém decidiu ser solidário e me permitiu levar a comida de casa, que as funcionárias depois aqueciam no microondas. Foi mesmo a melhor solução.

No final do 2.º ano e até ao final do curso fui sempre almoçar a casa (mudei de casa para uma mais perto da faculdade).

Ser celíaco... a quanto obrigas!

Filipe Gomes disse...

Passar a almoçar em casa foi das melhores decisões que tomei na vida. Andava sempre irritado por ter de almoçar mal... Assim a comida é ao meu gosto e 100% SG. Tenho que correr um bocadinho para chegar a tempo às aulas da tarde, mas compensa, prefiro 1000 vezes.

Flor Gonçalves disse...

Ola
Sou mãe da Margarida uma menina de 7 anos.
A Margarida é celiaca e come SEMPRE na cantina do ATL.
Os primeiros meses foi complicado por causa dos talheres com que mexiam a comida, mas com uma conversa foi simples de resolver.
A Margarida leva sempre a sua massa e o seu pão (são os únicos ingredientes que tem que levar) e pelos resultados da suas analises consigo ver que elas têm tido todo o cuidado.
Não existe grande diferença de ementa com os outros meninos. Elas quando a ementa é massa cozinham numa panela só para eles (porque são 2 celiacos a comer na mesma cantina), assim acontece quando é canja.
Quando são panados, fazem nos grelhados e quando é peixe fritam nos com farinha maizena.
Quando há festa de anos e são elas a fazer o bolo, fazem no sem glutem (uma receita que eu forneci) para todos os meninos.
O seu lanche, elas procuram variar com manteiga, queijo ou outros alimentos sem glutem.
A margarida FELIZMENTE não sente indeferente com os seus colegas.

E já agora gostaria muito de ir ao almoço mas para mim aos sabados é impossivel.
Divirtam-se.
Flor Gonçalves

Vanessa D. disse...

Eu optei por levar almoço de casa quando tenho de almoçar na faculdade. Confesso que não tentei falar com as funcionárias do refeitório porque até nem me dava muito jeito almoçar lá. Passo a explicar: a minha faculdade fica num pólo universitário onde existem outras duas faculdades, havendo um refeitório comum às três. Ora, normalmente, eu e os meus colegas almoçamos no bar da faculdade em vez de irmos ao refeitório. As refeições do bar são fornecidas por uma empresa de cattering e não há nada ao meu dispôr sem glúten.

Ainda comi algumas vezes no refeitório, optando pelo bife grelhado com arroz e salada, mas foi ideia que não pegou.

Por isso, tomei uma opção segura para mim: levo almoço de casa(sandes e não comida para aquecer, nunca experimentei isso)e posso almoçar na companhia dos meus colegas sem correr riscos.

SusanaMama disse...

Sou a mãe do Ricardo com 7 anos.

Quando no ano passado ele entrou para a primária, andei a averiguar como é que seria a comida da escola. Esta era fornecida por uma empresa de catering que me garantiu que poderia fornecer comida sem gluten. A questao que se colocou posteriormente é que no meio de tantos meninos ninguem se comprometia no caso de haver trocas de refeições. Eram tudo "ses"! Preferi mandar-lhe comida todos os dias. Agora a comida é confeccionada na escola, mas as cozinheiras, como pertencem à mesma à tal empresa de catering, podem não ser as mesmas todos os dias. Preferi nao arriscar.

Bjs a todos

Filipe Gomes disse...

Flor,

Que bom, parece que corre tudo optimamente com a alimentação da Margarida no ATL, a ponto de não se notar qualquer diferença.

Assim é que deve ser.

Sara disse...

Olá, sou a Sara e tenho 16 anos. Sou celíaca desde bebé. Frequentei uma “ama” que era impecável e confeccionava sempre comida sem glúten para mim, para os outros meninos e para a família.
Entretanto fui para a escola primária e tinha de ir almoçar a um ATL onde, também, me faziam uma dieta (quando era necessário) mas a sopa era, todos os dias, “ sopa dos bebés” e apesar de refilar sempre que comia sempre a mesma sopa, senti a falta dela quando entrei para o 5º ano, onde tive de começar a almoçar na cantina da escola: através de um atestado médico os meus pais lá conseguiram convencer as cozinheiras a fazerem-me dieta, mas ai foi mais complicado pois a sopa: raramente comia, pois continha ingredientes com glúten, e quando tinha de comer ‘dieta’ tinha de me contentar com peixe e batatas cozidas, mais que uma vez por semana. E isso é complicado para uma criança que sempre teve uma ‘comida diferente’ mas com um bom aspecto como a dos amigos! Mas lá me fui habituando à ideia, e sempre que podia, ia comer a casa! Entretanto, no ano passado, fui para o secundário e tudo correu muito melhor pois as cozinheiras confeccionam a comida lá na escola e fazem-me ‘dieta’ sempre que necessário, mas já não é peixe e batatas cozidas, fazem-me sopa sempre que têm tempo e são super cuidadosas e atenciosas. Ah e o melhor de tudo é que não se esquecem de mim como se esqueciam na antiga escola, aconteceu uma única vez e a senhoras ficaram tão mas tão aflitas que se fartaram de pedir desculpa mas arranjaram logo uma boa solução! Hoje, posso dizer com toda a certeza, que como na cantina e confio!
Sara

Flor Gonçalves disse...

Para SusanaMama

Sei que é dificil, mas teremos que dar um voto de confiança nas cozinheiras.
Com umas listas dos artigos sem glutem, alguns esclarecimentos em como não contaminar as refeições e alguma boa vontade penso que conseguimos que os nossos filhos não se sintam tão diferentes.
Como referi a Margarida (Celiaca) de 7 anos come no ATL desde que entrou para o infantário e tenho total confiança.

Temos sempre maneira de saber se as regras estão a ser cumpridas ou não, as analises não enganam.Porque não dar um voto de confiança as cozinheiras da escola ?

Flor Gonçalves