20/10/2008

Ce(r)líaco

Imagem retirada de: http://aspalavrasnuncatedirei.blogs.sapo.pt/96370.html

Todos temos em comum a diferença. Cada um com a sua cor de cabelo, de olhos, de pele. Cada um com uma altura e largura. Cada um com os seus gostos e, principalmente, cada um é uma mistura única e especial de diferenças.
Se há diferenças que podemos escolher, há outras que nascem connosco, ou se juntam a nós em alguma fase da vida, que nada fizemos para as receber. E o que fazer quando acontece? Bem, não havendo receita secreta, penso que um modo é começar por aceitar e adaptarmo-nos o melhor possível.
Sempre soube que era celíaca e que, portanto, era diferente porque não podia comer tudo o que os outros comiam. Mas também era especial porque tinha comida própria para mim. Quando fui diagnosticada, aos 15 meses, foi muito mais complicado para os meus pais do que para mim. E acho que deve ser o mesmo para todos os pais que de repente ficam com medo do que o filho vai comer e como vai aceitar, isto a juntar com o período em que não se sabe o que o filho tem. Tenho de confessar que para mim, tirando umas quantas situações, não tem sido muito complicado lidar com as particularidades de ser celíaca. A família faz comidinha sem glúten e ninguém se importa. Os amigos percebem e não implicam. As outras pessoas, umas mais disponíveis que outras, mas sem grandes complicações e “bichos-de-sete-cabeças”. E eu, nunca me conheci ou reconheci de outra forma que não fosse sem glúten.
Claro que há algumas dificuldades, que todos nós conhecemos bem (há refeições feitas fora de casa que podem ser uma grande dor de cabeça, já para não falar dos exames intermináveis até se dar com o diagnóstico). Mas também há dificuldades em sermos todas as outras coisas que somos. Sinceramente não acho que ser celíaca seja bom. Assim como não acho que seja mau. É aquilo que é, uma característica que faz, em conjunto com umas quantas outras, quem sou.
Esta é a minha forma de ver a DC e, principalmente, de a viver dia-a-dia.


Esperamos que este seja um espaço de partilha de informação, receitas mas também um espaço de partilha de vivências e experiências. Afinal, sendo todos diferentes, todos temos palavras diferentes para as descrever.
Daniela B.

9 comentários:

Kuraudia disse...

Olá Daniela.

Gostei muito da tua mensagem e a minha situação perante a doença celíaca é exactamente como a tua. Fui diagnosticada celíaca em bebé. Acho muito importante que se transmita esse sentimento de bem estar apesar de termos uma doença.

Cláudia Pereira

Sol disse...

Daniela:

Eu fui diagnosticada tarde, com 18 anos e na fase de manifestação da doença sofri horrores...

Já passaram 4 anos e agora sim... Se não fosse a dieta já nem me lembrava q era doente(?) ou, como tu dizes, que sou diferente no que toca à alimentação...

Um dia conto como é para mim ce(r)liaca...

Beijinho *

SusanaMama disse...

Olá
Eu sou mãe de um menino que lhe foi diagnosticada a doença (apesar de ainda estar a fazer o que lhe chamam de prova) aos 4 anos. E concordo que nestas idades o pior é para nós pais do que para os filhos, apesar que eles aprendem desde cedo a serem responsáveis.

Parabéns por esta vossa iniciativa.

flower power disse...

olá, gostei do que li. tenho uma filha de 4 anos e meio a quem foi diagnosticada a doença aos 14 meses e, penso que,foi mais dificil para nós pais do que para ela. reconfortou-me ler o testemunho, afinal só são "diferentes" na alimentação e hoje em dia as coisas já estão melhor que há uns anos. aos pais parece sempre ser um "papão" que temos de enfrentar, com analises constantes e não só. vou acompanhar o blog com toda a certeza e se poder contribuir é só dizer. parabéns a todos pela iniciativa R.

Anónimo disse...

Olá

Eu sou esposa de um celiaco. Foi-lhe diagnosticado com 31 anos, há 2 anos, e a partir dai houve uma reorganização na alimentação lá de casa. Se ele não tocar em gluten está sempre bom. Vou continuar a acompanhar o blog e participar. Tenho umas receitas fabulosas, de doces...que voçês podem comer e que eu adoro.
Maria José Ricardo

Sol disse...

As colaborações são sempre bem-vindas! =)

Vamos falar entre todos e vou propor que criemos um e-mail para onde possam enviar as vossas receitas, as vossas sugestões, tudo o que quiserem!

Ser mais é mesmo ser maior!

Beijinhos
=)
*

Gaby disse...

Olá.
Ao andar pela net encontrei o vosso blog, ao qual não fiquei indiferente pois tenho uma filha com 5 anos que é celíaca. Quando a doença se começou a manifestar ela tinha 18 meses, eu como mãe e tendo outra filha mais velha e com saude fiquei em panico, nunca tinha ouvido falar nesta doença, mas ao fim de pouco tempo e com a dieta que ela fez ficou numa situação estavel, quando ela tinha 3 anos foi feita a provocação ao fim de uma semana ela começou a dizer que tinha dores de barriga, fiquei muito triste porque a doença não tinha passado, e voltou tudo ao mesmo. Mas a minha filha embora com 5 anos é uma criança super responsavel pois se lhe derem uma coisa que ela não conheça ela aceita mas não come sem preguntar se pode ou se não lhe faz mal.
Quando tiverem o e-mail para as receitas tambem gostava de ter acesso.
Gaby

Mizé disse...

Olá jovens e felizes celíacos.

Gostaria só de parabenizar e saudar a iniciativa de fazer um blog para os jovens celíacos. Finalmente, em Portugal, já se poderá contactar, conhecer, trocar ideias com pessoas com a mesma situação(DC),já que não a considero uma doença, mas sim uma condição na vida. A condição de comer sem glúten.
Tenho uma filha de 7 anos à qual foi diagnosticada a DC aos 13 meses. Pretendo mostrar e ensinar a minha filha a navegar neste blog, para ela sentir que existem muitas outras pessoas tal como ela, uma criança feliz, igual a todas as outras, mas que a diferencia apenas na hora da alimentação, quando entrem alimentos "proibidos", mas com perfeitos substitutos.

Força!!!

Mizé

Anónimo disse...

Ola eu tenho problemas desde 20 tive aos 21 um diagnostico hoje sei errado de insuficiencia pancreas...Desde entao tive uma qualidade vida pessima pprivei-me de viver muitas coisas EM 2009 piorei estive muito mal mesmo felizmente mudei de medico e estou nas maos de alguem em quem confio e me diagnostico DC desde que faço a dieta nem me reconheço estou bem ...muito bem..Tenho 29 anos o grande problema éhabituar-me aos novos sabores..Mas resisto.
Sou a unica celiaca ca em casa eu faço a minha comida tenho armario separado nao como em festas e querem saber nao me importa o que dizem ou pensam eu sou mais eu e dou a volta querem comer comam agora eu nao como....:)